Eagle aponta mudanças no Cruzeiro e projeta briga pelo topo na Série A

Depois de Peaky e Bounce serem desclassificadas e ficarem de fora da 2ª etapa da Série A da Liga Brasileira de Free Fire (LBFF), o Cruzeiro eSports foi uma

Depois de Peaky e Bounce serem desclassificadas e ficarem de fora da 2ª etapa da Série A da Liga Brasileira de Free Fire (LBFF), o Cruzeiro eSports foi uma das equipes que acabou herdando uma das vagas que ficou em aberto. A equipe era uma das cotadas para terminar as finais da Série C entre as oito melhores e garantir sem preocupação a classificação para a elite, mas diversos problemas dentro de jogo impediram a equipe mineira de alcançar o triunfo.

Para que os mesmos problemas não se repitam em sua estreia na LBFF, o Cruzeiro passa por um processo de reformulação, que contará com a entrada de novos jogadores e mudanças e na parte técnica do time. Da formação que disputou a terceira divisão, poucos restaram.

Cruzeiro eSports disputará a 2ª etapa da Liga Brasileira de Free Fire (Foto: Divulgação/Cruzeiro)

Matheus “Eagle”, que atuava como jogador e capitão do time principal, foi colocado na função de técnico da equipe. O novo líder do time conversou com o site, falou sobre a oportunidade de disputar um dos principais campeonatos de Free Fire do mundo, analisou os erros do seu time, os adversários, e fez projeções para o futuro, além de comentar qual a sensação de representar um dos clubes mais tradicionais do futebol brasileiro.

Leia também:

Confira a entrevista completa:

Qual foi o sentimento ao saber que vocês ficaram com uma das vagas na Série A?

Eagle: Sentimento de que temos potencial e podemos chegar longe, por mérito nosso. Sentimos que temos capacidade para brigar pelo topo e que podemos ir longe no cenário de Free Fire, sempre com humildade, pés no chão e buscando consertar os erros, em especial os cometidos ao longo da Série C.

O que você acredita que atrapalhou o Cruzeiro nas finais (da Série C)? O que vocês poderiam ter feito melhor?

Eagle: O nosso capitão, que era quem passava as calls, acabou ficando todo o playoff sem poder treinar e jogando com muito limitação por causa de uma infecção no olho. Falta de agressividade e escolha (errada) de rotação também foram alguns fatores que influenciaram no mal desempenho da equipe. Talvez uma mudança no jeito de rotacionar ou mais comunicação por parte de alguns membros do time poderiam ter trazido resultados melhores.

O que será corrigido para que vocês possam se desempenhar melhor na Série A?

Eagle: O time vem mais agressivo, com jogadores novos e mais experientes. Também melhoramos nossas calls e estratégias de jogo, isso tudo com ajuda da comissão técnica. Não tenho dúvidas de que o Cruzeiro chega com uma cara nova na Série A.

Como estão as expectativas do Cruzeiro para essa nova fase?

Eagle: Altas. Esse time que está sendo formado com certeza vem para disputar as primeiras colocações da competição, com uma pegada mais agressiva e completamente diferente do que foi mostrado na Série C.

Das equipes que estão chegando agora na Série A, quais podem dar mais trabalho ao longo das quedas?

Eagle: Todas as equipes que se classificaram apresentam um potencial enorme, entretanto, Rages e SS são as equipes que mais demonstram potencial. Fizeram cinco partidas excelente na final, além de uma consistência absurda nos torneios pontuáveis. São duas equipes extremamente agressivas no jeito de jogar e contam com jogadores de muita experiência no cenário.

O que você espera da disputa contra Santos e Corinthians, que também representam gigantes dos gramados?

Eagle: Estou ansioso para enfrentar o Corinthians, é um time bem forte e campeão mundial. O mesmo sentimento vale no caso do Santos, ainda mais que não tivemos nenhum confronto direto na Série C.

Como se sente representando um time de futebol no Free Fire? Imaginou que isso seria possível algum dia?

Eagle: Nunca imaginei poder representar uma organização tão grande como o Cruzeiro, um dos maiores nomes do futebol e um dos poucos presentes no Free Fire. É um sentimento único, uma mistura de orgulho, confiança e um pouco de pressão, mas graças ao apoio da grande torcida podemos transformar tudo isso em motivação e orgulhar a todos com bons resultados.


Leia também:

Categorias: Free Fire, LBFF, Série A, Série C
Tags: , ,

1 Comment

  1. BRUNO VINICIUS

    18 de abril de 2020 at 10:48

    Gofox!

    Reply

Deixe um comentário!