Batman enxerga com bons olhos entrada de Guuh na INTZ: “casal perfeito”

Técnico da INTZ analisa de forma positiva estreia da equipe na C.O.P.A, exalta recém-chegado à formação, conta sobre a preparação do time e mais. Confira.

Depois das quedas que deram fim à Semana 3 da C.O.P.A Free Fire, a INTZ consolidou-se na vice-liderança do campeonato com 533 pontos, somente dez a menos que a Vivo Keyd, líder do torneio. Durante as últimas rodadas, os Intrépidos foram evoluindo cada vez mais e aos poucos estão mostrando o seu novo jeito de jogar, um pouco mais centrado e agressivo do que fora na primeira etapa da Liga Brasileira, onde terminaram a campanha na quinta colocação.

Durante a semana, o site entrevistou o técnico e analista da INTZ, Pedro “Batman”, que falou sobre o desempenho da equipe nas primeiras rodadas, as mudanças na escalação, os desafios da preparação em meio à pandemia e a briga pela liderança do campeonato. Confira a entrevista completa:

Free Fire eSports: Como você avalia as primeiras semanas da INTZ na C.O.P.A Free Fire?

Pedro “Batman”: Estão sendo legais pra caramba as primeiras semanas da INTZ, até porque conseguimos trabalhar a line de diferentes maneiras, de acordo com as estratégias que preparamos durante a semana. Os treinamentos estão sendo intensos, todos os dias, e em cada um deles trabalhamos estratégias diferentes que podemos ou não usar durante a competição. Com relação aos resultados adquiridos, é uma junção do treinamento com a parte estratégica da equipe, onde aprimoramos os momentos certos para sermos mais agressivos ou defensivos, por exemplo.

FFe: Depois das mudanças que foram feitas no plantel de jogadores da equipe, com a chegada do Guuh, pode-se dizer que a INTZ se tornou uma equipe mais constante do que era antes?

Batman: Mais constante, creio que só o tempo dirá, mas o Guuh entrou na equipe trazendo a proposta de um jogo mais agressivo, diferente do que era com a antiga line que disputou a LBFF. Ele é um dos rushadores da equipe e por isso, em vários momentos, estamos trabalhando em cima de estratégias mais agressivas, seguindo a mentalidade agressiva dele. O Guuh é o jogador que, juntamente com o Lukas, assume e puxa a call quando precisamos partir para cima, isso nos dá uma boa vantagem nas trocações. Eu acredito que a parte mais agressiva dele, somada à experiência e inteligência da equipe, formam um “casal perfeito”. 

FFe: Por tratar-se de um torneio onde os times estão divididos em grupos, as estratégias são diferentes semana após semana, certo? Isso impacta muito no revezamento entre os jogadores titulares e reservas?

Batman: De fato, as estratégias são diferentes a cada semana, principalmente porque cada equipe cai e rotaciona de um jeito, são características únicas, entretanto, a C.O.P.A tem sido um campeonato tão difícil quanto foi a LBFF. Para mim, com relação ao revezamento dos jogadores, é muito difícil por conta do que as outras equipes estão demonstrando. Cada jogador tem uma qualidade que pode sobressair à algumas estratégias que as outras equipes possuem, como por exemplo: há momentos nos quais as equipes estão mais agressivas e outros nos quais estão mais recuadas, e cada situação necessita de uma estratégia diferente. Em cima disso, opto por colocar sempre jogadores diferentes de acordo com as estratégias que estarão em cheque no determinado momento.

FFe: Devido ao período de pandemia, todo o trabalho tem sido feito à distância, com os jogadores e comissão técnica em suas casas. Como está sendo a preparação da INTZ?

Batman: Toda a preparação para o campeonato é muito parecida com a presencial. Nos reunimos em chamada, a princípio com a presença do João, nosso Manager, que também se faz presente durante e depois das partidas, e sempre entramos em um consenso para juntos definirmos a melhor estratégia para a equipe a depender do dia. Quando acertamos, procuramos ver o que deu certo e o que não deu, para que os erros não sejam cometidos novamente. A distância complica um pouco porque cada jogador tem uma dificuldade diferente e às vezes trabalhar isso à distância é um desafio maior. Apesar de tudo, estamos bem e espero que toda essa situação passe logo.

FFe: Por fim, porém não menos importante, não tem como deixar de lado o assunto classificação, dado que a INTZ é vice-líder do torneio, sendo ameaçada em pontos somente por Vivo Keyd, primeira colocada, e B4, que ocupa o terceiro lugar. Estes dois são os principais adversários da Intrépidos no torneio ou existem outras equipes que vocês acreditam ser tão perigosas quanto?

Batman: Acredito que os dois oponentes são difíceis e bastante constantes em suas quedas. A B4 foi da água para o vinho se compararmos com o desempenho na LBFF, enquanto a VK se manteve muito bem, sempre em alto nível. Mesmo assim, acho que têm outras equipes que podem se sobressair, principalmente quando chegarmos às fases finais. A Team Liquid, atual campeã, e a paiN Gaming, equipes muito boas na trocação, são alguns exemplos.

Leia também: “Ouvirão falar muito da gente ainda”, diz Eagle, do Cruzeiro, em recado à torcida

Categorias: C.O.P.A. Free Fire, Free Fire
Tags: , , , ,

Deixe um comentário!